Ir para o conteúdo principal
blog medicina estética

6 alimentos que você pode comer para melhorar seu vitiligo

Conheça os 6 alimentos que você pode consumir para melhorar o vitiligo de acordo com a literatura científica.

O vitiligo é uma dermatose que causa manchas brancas na pele como resultado da destruição de células produtoras de pigmento (melanócitos).

Afeta aproximadamente 1% da população e mesmo quando não produz nada além de manchas na pele, os pacientes são afetados pela sua imagem. A causa do vitiligo não é conhecida, mas sabe-se que os pacientes com vitiligo sofrem de estresse oxidativo na sua pele isso destrói melanócitos.

Neste post, reviso como alguns alimentos podem ajudar a reduzir o estresse na pele e ajudar os tratamentos tradicionais para vitiligo a proteger os melanócitos. Em outras palavras, vou lhe contar vários alimentos que você pode consumir para melhorar seu vitiligo.

O que é vitiligo e como é tratado?

O vitiligo é uma dermatose que afeta aproximadamente 1% da população e produz manchas brancas na pele. A desfiguração causada pelo vitiligo afeta a qualidade de vida dos pacientes.

O tratamento do vitiligo requer a combinação de tratamentos tópicos na forma de cremes e fototerapia (luz que imita o sol na pele) em casos mais extensos para recolorir (repigmentar) as manchas.

Na minha experiência como dermatologista, o tratamento do vitiligo é longo, exigindo no mínimo 6 a 12 meses e muita paciência. O vitiligo requer tratamento a longo prazo e nem sempre é eficaz, por isso a relação médico-paciente deve ser mantida tanto quanto possível. É fundamental que o paciente se sinta confortável e que expliquemos honestamente o tratamento e suas expectativas.

Por outro lado, o melanócito, assim como o paciente, também deve ser tratado com cuidado. E quando aparece, ou seja, quando o paciente começa a repigmentar, é fundamental que não desapareça novamente. É por isso que, na minha opinião, é fundamental promover um ambiente sem stress oxidativo na pele adequado ao melanócito.

Em termos mais científicos, são encontrados marcadores elevados de dano oxidativo na epiderme e no sangue de pacientes com vitiligo, produzindo ERO (radicais livres de oxigênio) e peróxido de hidrogênio (H2O2) (1). Existem vários estudos que sugerem que o estresse oxidativo é crucial na gênese do vitiligo, causando inflamação, autoimunidade e morte dos melanócitos da pele (2).

Descubra os 6 alimentos que você pode consumir para melhorar seu vitiligo

A imunonutrição tenta modular o sistema imunológico através do fornecimento de nutrientes. É uma disciplina emergente e promissora. Aqui você pode visitar o portal da Sociedade Internacional de Imunonutrição, ISIS (@ISImmunoNutr).

Não há estudos ou ensaios clínicos na literatura revisada que demonstrem como a dieta afeta os pacientes com vitiligo, assim, as recomendações dietéticas são feitas de forma aproximada, buscando alimentos antioxidantes e antiinflamatórios.

E quais são os alimentos funcionais no vilitigo?

1. Chá verde

Foi demonstrado em estudos in vitro (laboratorial) e em animais que protege os melanócitos do estresse oxidativo (3).

2. Groselha Indiana ou Fruta Amla (Phyllanthus emblica)

Poderoso antioxidante oral que também potencializa a ação antioxidante das vitaminas C e E. Num grupo de pacientes com vitiligo tratados com fototerapia, aqueles que foram supersuplementados com Amla e vitaminas C, E e carotenos repigmentaram mais e mais rapidamente (4). Portanto, é mais um dos alimentos que você pode consumir para melhorar o vitiligo.

3. Gingko Biloba

Um clássico. Seus benefícios como antioxidante foram comprovados em diversos estudos e é uma das ervas medicinais mais estudadas. Em doses de 240 mg por dia é benéfico sem produzir efeitos colaterais. Num ensaio clínico de 12 semanas, Gingko biloba 60 mg por dia em pacientes com vitiligo diminuiu a área afetada (Índice de Pontuação de Área de Vitiligo, VASI e Força-Tarefa Europeia de Vitiligo, VETF) (5).

4. Leucotomos polipódios

É um extrato de samambaia cultivada na América do Sul e administrado por via oral em doses de 250-720 mg por dia. Na Espanha é vendido em farmácias, patenteado com o nome bloco de samambaias. Não tem efeitos colaterais, exceto um leve desconforto gástrico. Foi demonstrado em dois ensaios clínicos que aumenta as oportunidades de repigmentação e a área de repigmentação em aproximadamente 50% em pacientes com vitiligo tratados com fototerapia (6). Como dermatologista especialista no tratamento do vitiligo com fototerapia, utilizo em todos os meus pacientes.

5. Kelina (extrato de Ammi visnaga ou biznaga)

É um extrato de uma erva que cresce selvagem no Mediterrâneo. Na dose de 100 mg por dia, foi demonstrado em dois ensaios clínicos combinados com UVA que aumenta as chances de repigmentação em aproximadamente 50%, em média. Pode causar náuseas e transaminases elevadas (7). Além disso, o 3% pode ser utilizado como creme tópico combinado com exposição solar ou UVA, em modalidade de fototerapia denominada KUVA. Como dermatologista de vitiligo, eu o uso em meus pacientes com vitiligo no verão para evitar idas à clínica para fototerapia.

6. cúrcuma ou cúrcuma

Mais um clássico a destacar entre os alimentos que você pode consumir para melhorar o vitiligo. É capaz de reduzir a produção de ERO em estudos in vitro na pele de pacientes com vitiligo. Sua aplicação tópica combinada com fototerapia parece aumentar ligeiramente a taxa de repigmentação das manchas de vitiligo.

Finalmente

Em resumo, a nutrição funcional juntamente com uma dieta adequada no vitiligo combinada com tratamentos médicos podem ser outra opção no manejo dos pacientes. Fruta Amla, Gingo Biloba, Kelina e Polypodium foram estudados em pacientes com vitiligo melhorando a solução à fototerapia, sendo esta última a mais utilizada em nosso país.

Referências

1. Mansuri MS, Jadeja S, Singh M, et al. O promotor do gene da catalase e as variantes da região não traduzida levam à alteração da expressão genética e da atividade enzimática no vitiligo. Br J Dermatol 2017; 177: 1590-1600.

2. Marie J, Kovacs D, Pain C. Ativação do inflamassoma e progressão do vitiligo/vitiligo não segmentar. Br J Dermatol 2014; 170: 816-823.

3. Ning W, Wang S, Liu D et al. (2016). Efeitos potentes da epigalocatequina-3-galato peracetilada contra danos induzidos pelo peróxido de hidrogênio em melanócitos epidérmicos humanos através da atenuação do estresse oxidativo e da apoptose. Dermatologia Clínica Experimental2016; 41: 616–624.

4. Colucci R, Dragoni, F, Conti R, et al. Avaliação de suplemento oral contendo extratos da fruta Phyllanthus emblica, vitamina E e carotenoides no tratamento do vitiligo. Terapia dermatológica 2015; 28:17-21.

5. Szczurko O, cisalhamento N, Taddio A. et al. Ginkgo biloba para o tratamento do vitiligo vulgar: um ensaio clínico piloto aberto. Medicina Complementar e Alternativa BMC 2011; onze; vinte e um.

6. Middelkamp-Hup, MA, Bos, JD, Rius-Diaz, F., González, S. e Westerhof, W. (2007). Tratamento do vitiligo vulgar com UVB de banda estreita e extrato oral de Polypodium leucotomos: um estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo. Jornal da Academia Europeia de Dermatologia e Venereologia, 21 (7), 942–950.

7. Hofer, A, Kerl H, Wolf P. Resultados de longo prazo no tratamento de vitiligo com khellin oral mais UVA. Jornal Europeu de Dermatologia 2001; onze; 225-229.

8. Asawanonda, P, Klahan S. Creme tetrahidrocurcuminóide mais fototerapia UVB de banda estreita direcionada para vitiligo: um estudo preliminar randomizado controlado. Fotomedicina e Cirurgia Laser 2010; 28; 679-684.

Abrir chat
💬 ¿Necesitas ayuda?
Centros médicos Hoogstra
Hola 👋¿En qué podemos ayudarte?